Como é o vosso Paraíso? O meu tem forma de Biblioteca.
OS MEUS LIVROS: |Distúrbio| |Antologias|

14
Nov 11
publicado por paraisobiblioteca, às 09:00link do post | Comentar

Ela olhou duas vezes para o bocado de papel e confirmou a morada. Estava atrasada dez minutos e isso poderia traduzir-se no fim do que ainda nem começara. Ele fora bem explícito. 20h, nem um minuto a mais, nem um minuto a menos. Encontrou a rua e depois a porta. Apertou o casaco ao corpo e entrou. Lá dentro cheirava a madeira velha e as escadas rangiam à medida que os passos avançavam no escuro. O coração bombardeava um sangue quente e louco. Chegou ao quarto, inspirou fundo e bateu. Não demorou para que abrisse, como se a esperasse atrás da porta. Estás atrasada. Eu sei, desculpa. Do nada, num contraste súbito entre a aspereza da voz e o golpe do seu abraço morno, encostou-a a si. Beijou-a sem avisos. Uma anestesia contra o frio do inverno, contra o desconhecido daquela cidade que a recebia pela primeira vez. Ela conhecera-o nesse mesmo dia e ele deixara bem claro que seria das poucas pessoas dispostas a ajudá-la. Não fora simpático, nem encantador. O sorriso não aparecera e os olhos, duros e penetrantes, não aqueciam. No entanto, ela soube que com aquele homem seria capaz de ir até ao inferno. Esperei tanto por ti. Ainda bem que apareci, então. E os beijos tornaram-se ferozes, como se travassem uma luta corporal. Era impossível saber que braço era o dele, que braço era o dela. Tinham o mesmo tom de pele, a mesma ausência de pêlos. Os cabelos navegavam por ambos os corpos, não havia o dele e o dela. As mãos atravessavam costas e barrigas. Conheciam-se, saboreavam-se, como se o amanhã pudesse não existir e era importante descobrir tudo. No ar, o cheiro a sexo, a saliva, a suor. Na cama, lençóis que se iam desfazendo. No chão, o soutien, a saia e a blusa. O casaco ficara à porta. Ela ainda envergava as cuecas e, por cima, umas meias quase transparentes. Ele não tinha nada. És linda. Tu também não estás nada mal. O amor surgia assim. Sem a primeira simpatia, sem o primeiro sorriso. O amor começava no sexo. Começava, permaneceria e, provavelmente, acabaria no sexo. As meias foram rasgadas, as cuecas caíram sobre o resto da roupa e ela gemeu, ele gemeu, o quarto deixou-se ficar quieto, a lua baixou o brilho, dando a intimidade que eles precisavam e os orgasmos vieram minutos, horas, dias, anos, décadas depois.

tags:

Contacto: paraisobiblioteca@sapo.pt | Twitter: @ValentinaSFerr
Adquire o teu exemplar do Distúrbio
E tu? Já és fã? ;)
A Menina da Biblioteca também escreve aqui:
"Estórias do Arco-da-Velha"